Prefeitura vence a crise e antecipa salários e 13º

Tempo de leitura: 2 minutos

Austeridade tem feito com que o município honre com seus compromissos.

Em tempos difíceis, de crise financeira, o prefeito Diocélio Fernando tem conseguido manter as contas do município em dia. Com muito trabalho e respeito ao dinheiro do contribuinte, a prefeitura de Alvarenga vem mostrando o verdadeiro significado de gestão honrando o compromisso e obrigação firmada.

Não é por um acaso que as contas públicas do município de Alvarenga estão em dia, já que, por determinação do prefeito Diocélio Fernando, todos os órgãos públicos municipais e cada um dos departamentos, diante da crise que se instalou no País, estão fazendo o dever de casa para que não haja desequilíbrio econômico nas finanças municipais.

“Estamos seguindo à risca nosso plano de gestão na busca pela contenção de despesas. Por isso que estamos fechando o ano de dois mil e dezessete com as contas em dia”, afirmou a vice-prefeita Maria Fátima

Os gestores Diocélio Fernando e Maria Fátima comunicaram na manhã dessa sexta-feira que o 13º dos 328 funcionários já estará disponível para saque no dia 12 de dezembro.

O município está na contramão do que ocorre no país, o prefeito, desde que assumiu, tem tratado o dinheiro público com o respeito ao contribuinte. As aplicações são feitas com muita responsabilidade, sem desperdícios, muito controle e economia, por isso a prefeitura de Alvarenga está encerrando o ano de 2017 de forma equilibrada economicamente e com a casa em ordem, apesar da crise que está tirando o sono e o sossego de muitos gestores país afora.

O grande vilão para esse descontrole nas contas públicas são os gastos com pessoal. Nesse aspecto, o orçamento de Alvarenga se destaca por se manter rigorosamente dentro dos limites da Lei de Responsabilidade Fiscal.

Nem a recessão econômica nem a crise política, que tem afetado fortemente o orçamento da imensa maioria dos municípios, alterou o compromisso do prefeito Diocélio Fernando com a categoria dos servidores públicos e na sua responsabilidade no trato do dinheiro público.

Diocélio Fernando e Maria Fátima