Cultura está sendo resgatada em Alvarenga

Tempo de leitura: 1 minuto

Há mais de seis décadas acontece em Alvarenga a manifestação denominada “Música Infernal”. O movimento é realizado por um grupo de pessoas da zona rural, com destaque para moradores da região do Alvarenguinha, e personifica os soldados que conduziram Cristo ao Calvário. O evento tem características da Procissão do Fogaréu, que tradicionalmente é realizada em algumas cidades de Goiás, Minas e São Paulo, sempre no final da noite da Sexta-Feira Santa para o Sábado de Aleluia. No último dia 15 de abril, à meia-noite, o grupo de encapuzados, com mais de 40 integrantes, alguns com túnicas brancas, carregando tochas de fogo, instrumentos de percussão como matracas, surdos e caixas, além de buzinas usadas por antigos caçadores, percorreu as principais ruas do centro da cidade, chamando a atenção da população e despertando a curiosidade de muitos outros que desconheciam a manifestação. As pessoas ficaram à espera da passagem do grupo, nas ruas ou nas janelas de suas casas.

Apesar de ter sido destaque na Semana Santa por vários anos, o grupo não saía há mais de oito. Este ano, os responsáveis pelo movimento foram incentivados pelo secretário da Cultura, Joemar José da Silva, a manter viva mais esta manifestação cultural em nosso município. Os organizadores do movimento, Rofinho, Eli Lima, Saulo Pereira, José Araújo de Souza e Zezinho Calixto, prometeram sair no próximo ano com um número maior de pessoas, no sentido de levar adiante esta tradição, uma das únicas do Vale do Rio Doce, marcando mais um capítulo do folclore alvarenguense.

Texto/Colaboração: Zé Araújo. Fotos: Zé Araújo e Willian Araújo.